Domingo, 22 Abril 2018  08:51:20
Domingo, 03 Maio 2015 11:50

De forma até heroica. O São Carlos conquistou o segundo ponto no Campeonato Paulista da Série B, ao empatar em 1 a 1 com o Elosport, na manhã deste domingo, 3, no estádio municipal Dr. José Sidney da Cunha, em Capão Bonito.

Com o resultado, o Elosport chegou aos 7 pontos e o São Carlos conquistou apenas o segundo ponto no grupo 2 e segura a penúltima colocação.

A partida, válida pela terceira rodada da fase de classificação, foi recheada de lances polêmicos e uma fraca arbitragem de Emiliano Alves da Costa.

O São Carlos terminou a partida com nove atletas e chegou a estar perdendo por 1 a 0 e chegou ao empate nos minutos finais da partida.

O JOGO - Uma partida tensa. Nos minutos iniciais, um jogo bem truncado realizaram Elosport e São Carlos com raríssimas chances de gol. Ainda sem vencer, o time orientado pelo técnico Rafael Guanaes até que tentou se soltar, mas aos 24 minutos da etapa inicial, um duro golpe, com o jogador Felipe sendo expulso após um lance infantil.

Mesmo com um atleta a menos, o São Carlos não recuou e teve até mais domínio que o Elosport, mas nenhum lance de grande perigo aconteceu nos 45 minutos iniciais.

Na etapa final, com um atleta a mais, o time de Capão Bonito partiu para o ataque e levou perigo ao gol defendido por Hotton, que conseguiu manter o 0 a 0.

Mas líder do grupo e jogando em casa, o Elosport continuou no ataque e encurralava a Águia, que se defendia como podia.

Aos 16 minutos, a partida ganhou contornos de tensão. Em um lance de ataque, Alemão do Elosport e Daisson da Águia trocaram agressões e foram expulsos de campo.

De forma dramática e com dois atletas a menos em campo, o São Carlos tratou de recuar e apenas se defendia até que, em um lance confuso, aos 21 minutos, o Elosport chegou ao gol, através de Reginaldo, que fez 1 a 0.

Após o gol, o técnico Rafael Guanaes invadiu o campo indignado com o lance que originou o gol, já que Hotton teria sofrido falta. Até mesmo o atleta Alemão, que tinha sido expulso minutos antes, invadiu o campo, em uma confusão generalizada.

Apesar de toda a reclamação, o árbitro Emiliano Alves da Costa validou o gol.

Reiniciado o jogo, o São Carlos usando mais a garra e disposição, conseguiu o empate ao 33 minutos. Willian Dias cobrou a falta e Matheus Mendes, de cabeça fez o gol.

Nos minutos finais o jogo foi aberto com as duas equipes buscando o gol da vitória, mas sem sucesso.

0
Domingo, 03 Maio 2015 09:12

O trabalho da arbitragem brasileira é colocado em xeque em toda rodada. A reportagem conferiu as opiniões de especialistas e dirigentes, além das discussões nas redes sociais, sobre essa polêmica sempre renovada.

O assunto dos últimos dias foi a escolha de Guilherme Ceretta de Lima como árbitro da finalíssima do Campeonato Paulista entre Santos e Palmeiras, neste domingo, na Vila Belmiro. No Twitter, palmeirenses criticaram a escolha, alegando que o árbitro seria santista. O “argumento” é uma foto que circula nas redes na qual o árbitro da final estaria comemorando um gol ao lado dos familiares do goleiro Rafael, ex-Santos e hoje no Napoli. Em seu perfil no Instagram, o árbitro usa a Hashtag “Contra tudo e contra todos”.

Com medo de punições, os jogadores evitam o tema. O atacante Fred, por exemplo, foi penalizado por dois jogos e ficou fora da semifinal do Campeonato Carioca por críticas aos árbitros no Fla-Flu. O Botafogo avançou e neste domingo decide o título contra o Vasco.

O silêncio é um reflexo direto do documento divulgado pela Comissão Nacional de Arbitragem da CBF (Conaf) determinando mais rigor às punições por reclamação. Era um manifesto contra os “pitis”. “A realidade é que estamos em um país em que é difícil ser autoridade, não se tem credibilidade. Por isso é difícil para o juiz trabalhar”, disse Arnaldo Cézar Coelho, comentarista da Rede Globo.

Como forma de se defender de tantas críticas, os árbitros cobram melhores condições de trabalho. A principal reivindicação é a profissionalização, ou seja, carteira assinada para que possam dedicar só ao seu trabalho. Esta é a principal luta dos sindicatos da categoria e da Associação dos Árbitros (Anaf).

Segundo os sindicalistas, os árbitros profissionais teriam mais tempo para estudar, treinar e, com isso, apitariam melhor. Na verdade, a luta é para colocar em prática uma lei que já existe. Sancionada pela presidente Dilma Roussef, em 10 de outubro de 2013, a lei 12.867 regula a profissão do árbitro, mas, na prática, não pegou.

Para Sérgio Correa, presidente da Conaf, o caminho da profissionalização é tortuoso. “Quem vai pagar essa conta? Além disso, árbitros profissionais não significam árbitros infalíveis. Até os atletas qualificados também erram”, afirmou o dirigente.

PREPARAÇÃO - Para Arnaldo César Coelho, os brasileiros são bem preparados. “A qualificação dos árbitros está bem melhor do que há alguns anos. Antes, cada um fazia os seus próprios estudos. Eu mesmo estudava sozinho”, disse o comentarista.

Roberto Perassi, diretor da escola de árbitros da Federação Paulista de Futebol (FPF), detalha a formação em São Paulo. Ao longo de um ano e meio, os árbitros estudam as 17 regras do futebol, fazem cursos práticos e um estágio supervisionado no qual trabalham nas categorias de base. “Todos os anos, os árbitros passam por avaliações teóricas, orais, além de testes físicos, médicos, psicológicos”, afirmou o coronel Marcos Marinho, chefe da arbitragem da entidade.

Para Perassi, o problema é de enfoque. “Os brasileiros erram tanto quanto os europeus. O que muda é a maneira de ver o erro. Lá, faz parte do espetáculo, tanto como erram os jogadores. Aqui é visto como determinante para um resultado”, disse o professor.

0
Domingo, 03 Maio 2015 08:31

O Vasco está próximo de voltar a erguer a taça de campeão do Campeonato Carioca após 12 anos sem vencer a competição - a última vez foi em 2003. Com a vantagem obtida na primeira partida de final do Estadual, quando superou o Botafogo por 1 a 0, a equipe cruzmaltina chega como favorita ao estádio do Maracanã neste domingo, às 16 horas, para a disputa da grande decisão.

Para "virar o jogo", o técnico René Simões conduziu treinamentos secretos a semana inteira e quer surpreender. Em seu favor, o Botafogo ostenta a marca de nunca ter perdido uma decisão de Estadual para o rival. As torcidas já esgotaram os 56.249 ingressos que foram postos à venda e prometem fazer uma grande festa.

A equipe de São Januário pode até empatar que, ainda assim, conquista o campeonato - qualquer vitória do Botafogo por um gol de diferença levará a decisão para os pênaltis. Mas o grupo prefere manter a cautela. "Temos que conter essa euforia", afirmou o treinador Doriva. "É preciso manter o equilíbrio. Sem equilíbrio, podemos perder. O nível de concentração precisa estar elevado".

Doriva também fez mistério sobre a escalação que deve adotar. A tendência é que mantenha o time que venceu na primeira partida com uma mudança - o meia Marcinho deve perder a vaga, que é disputada por Rafael Silva e Bernardo. "Vai ser difícil, mas a expectativa é boa", arrematou.

O Botafogo também tem dúvidas no meio de campo. Gegê, Tomas e Diego Jardel disputam uma vaga, mas René Simões guarda a escalação como um trunfo. "Empatamos uma vez e perdemos outra (contra o Vasco no Campeonato Carioca). Se fizermos igual, teremos, no máximo, a garantia de empatar ou perder. Para vencer temos que fazer algo de diferente", disse.

É certo que o Botafogo não vai poder contar com dois de seus principais jogadores. O goleiro Jefferson não se recuperou de uma cirurgia no joelho direito e o atacante Jobson não recebeu autorização da Fifa para atuar. A entidade suspendeu o jogador por quatro anos após denúncia de doping e não respondeu positivamente aos recursos do atleta.

0
Domingo, 03 Maio 2015 08:14

A justificativa de que o Campeonato Paulista tem pouca importância definitivamente está longe da final deste domingo entre Santos e Palmeiras, na Vila Belmiro, às 16 horas. Em raras ocasiões um clássico que vale o título estadual reuniram tantos ingredientes para uma verdadeira decisão.

As equipes vão praticamente com a força máxima e vivenciaram uma semana de intensa rivalidade antes de disputar uma taça que simboliza para os dois a reação depois de meses tão turbulentos. Ou seja, ser campeão paulista vale muito para os dois times. É a coroação de um árduo trabalho de reconstrução de duas potências do futebol brasileiro.

A disputa começou tensa até para comprar ingressos. O Palmeiras resmungou depois de o Santos determinar que somente a Vila Belmiro seria ponto de venda. O estádio do Pacaembu, então, também passou a abrir a bilheteria e a intensa disputa pelos bilhetes causou tumulto e precisou até da intervenção da polícia.

Em seguida, vazou um vídeo onde Robinho, Gabriel e Alison cantavam um funk onde diziam que iriam “detonar” o Palmeiras. Leandro Pereira respondeu. “Só não vão chorar depois”. O presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, também desandou a dar declarações polêmicas, como acusar dirigentes do rival de inventarem negociações com atletas do Santos.

Algo que também colocou um ingrediente a mais na decisão foi a excessiva comemoração dos santistas após o primeiro jogo. “Talvez eles tenham comemorado porque sabiam que era para levar três ou quatro”, disse Leandro Pereira.

Um dos motivos que pode explicar a euforia santista é o fato de poder decidir na Vila Belmiro, onde a equipe cresce muito. “A força da Vila é histórica. Não só a camisa do Santos, a camisa, o clube. Acho que é importantíssimo jogar aqui. É a nossa casa, onde conhecemos. A torcida faz um caldeirão. Vamos fazer uma festa bonita e incentivar esses jogadores que vão fazer de tudo para ser campeão”, disse o técnico Marcelo Fernandes, que chega em sua primeira decisão como treinador.

Oswaldo de Oliveira, que no ano passado comandou o Santos e foi vice-campeão estadual, sendo derrotado pelo Ituano, também admitiu que atuar na casa alvinegra será um grande adversário extra. “Quando eu estava lá, falei da importância de jogar na Vila uma decisão. Resolveram mandar as partidas para o Pacaembu e perdemos o título”, recordou o comandante, que chega em sua quarta final estadual consecutiva. Em 2012 e 2013, foi para a final do Campeonato Carioca sob o comando do Botafogo.

SEGREDO - Dentro de campo, muito mistério de todos os lados. O certo é que as duas equipes vão para o ataque, já que a marcação é o ponto fraco delas. O Santos quis deixar claro que tem força máxima, mas sem confirmar a formação.

Até o zagueiro Werley, recém-recuperado de dengue, e o goleiro Vanderlei, que fez cirurgia na face, foram para o campo, mas para despistar. Já o Palmeiras fechou todos os treinos e o goleiro Fernando Prass é o único titular confirmado por Oswaldo de Oliveira.

A boa notícia, embora nenhum dos dois clubes confirmem, é que as duas maiores estrelas estarão em campo depois da ausência na partida de ida, no Allianz Parque, quando ambos estavam lesionados. De um lado, Robinho promete “desmontar” a organizada defesa alviverde, enquanto que Valdivia também quer usar sua “magia” para deixar os colegas na cara do gol e garantir a festa.

0
Sábado, 02 Maio 2015 11:05

O técnico Marcelo Fernandes, do Santos, disse que a equipe aprendeu com o vice-campeonato paulista do ano passado e está mais preparado para, no domingo, derrotar o Palmeiras e garantir o título de 2015. Na Vila Belmiro, a equipe terá que ganhar por no mínimo dois gols de diferença para confirmar a conquista no tempo normal.

Caso vença por diferença mínima, a decisão vai para os pênaltis, como foi no ano passado. "Acho até que o pessoal quer muito vencer, como todos querem, mas a semana tem sido boa. Não só neste aspecto. Tivemos uma lição muito boa ano passado, contra o Ituano. Isto nos deixou muito calejados e fortalecidos neste momento", disse o treinador, que em 2014 era auxiliar de Oswaldo de Oliveira.

O Santos mudou a programação nesta sexta-feira e preferiu realizar o treino na Vila Belmiro com os portões abertos. O técnico fez questão de colocar no campo todos os jogadores, e embora a atividade não tenha indicado os titulares para domingo, serviu para o elenco sentir o apoio dos torcedores.

Inicialmente o treino da equipe seria no CT Rei Pelé e de portões fechados. Mas na última hora o técnico anunciou alteração na programação. Somente a torcida organizada já sabia dessa alteração na agenda. 

Com bandeiras, faixas e a presença de cerca de mil pessoas, a atividade teve ainda protestos contra as emissoras de tevê. Os torcedores criticaram os canais por não transmitirem jogos do clube e priorizarem as partidas do Corinthians.

Na atividade, o time fez um trabalho em campo reduzido, de posse de bola, seguido por cruzamentos e finalizações. O treino levou ao gramado jogadores que são dúvida para a partida de domingo, como uma espécie de estratégia para confundir o Palmeiras.

Em fase final de recuperação de uma dengue, o zagueiro Werley treinou pela primeira vez com o grupo. Até mesmo o goleiro Vanderlei, que não atua há 35 dias, esteve presente. O jogador sofreu uma fratura no rosto e treinou com uma máscara. O atacante Robinho também participou. 

Antes do treino, o técnico concedeu entrevista coletiva e despistou sobre se a presença no treino significaria para esses jogadores a confirmação de vaga entre os titulares. "Temos de esperar. Não podemos colocar ninguém meia-boca. É uma decisão, um jogo importantíssimo para nós", afirmou.

0
Sábado, 02 Maio 2015 08:07

A situação financeira dos quatro grandes clubes de São Paulo piorou nos últimos cinco anos e todos atingiram o maior endividamento líquido de sua história. Essas são as principais conclusões de um estudo exclusivo feito pela consultoria BDO sobre os balanços financeiros de Palmeiras, Santos, São Paulo e Corinthians divulgados na última quinta-feira.

O endividamento líquido dos quatro clubes mais que dobrou nos últimos cinco anos. Em 2010, a soma das dívidas totalizava R$ 652 milhões. Este ano, atingiu R$ 1, 3 bilhão - um aumento de 109%. O desempenho ruim nos últimos anos joga os clubes em uma situação ímpar. Todos estão devendo mais do que já deveram em toda sua história. O Santos apresenta a maior dívida (R$ 373 milhões), seguido do São Paulo (R$ 340 milhões), Palmeiras (R$ 332 milhões) e Corinthians (R$ 313 milhões).

As receitas também diminuíram entre 2013 e 2014, com exceção do Palmeiras. Na média, os clubes diminuíram os investimentos no futebol pela primeira vez desde 2010.

Para Pedro Daniel, gerente da divisão de Esportes da consultoria BDO, os números apontam uma consequência direta: o atraso no pagamento de salários para funcionários e fornecedores deve se manter nos próximos períodos. Ele ressalta, no entanto, que cada clube tem peculiaridades que dificultam uma análise global para todos. “O primeiro passo é conhecer o consumidor/torcedor para desenvolver ações capazes de gerar novas receitas”, afirmou.

No Corinthians, o balanço publicado na quinta-feira evidencia o agravamento da crise. “A dívida é alta principalmente se analisarmos que as receitas tiveram uma queda”, disse o especialista. “As perspectivas não são animadoras a curto prazo. O Corinthians terá de buscar outras fontes de receita, como patrocínio e os programas de fidelidade”. Um dia após a divulgação do balanço, o clube relançou seu programa de sócio-torcedor comensalidades a partir de R$ 9.

Antes exemplo de boa saúde financeira, o São Paulo também vive uma situação complicada. No balanço, a diretoria admite ter aumentado o endividamento bancário em 62% no último ano, situação que faz o clube pagar cerca de R$ 8 milhões por mês com juros e amortização, segundo apurou a reportagem. O clube tricolor foi quem teve o maior recuo em receita no último ano, e lista como causas a diminuição da venda de atletas, a dívida com os bancos e a necessidade de honrar os custos firmados em contratos antigos.

O clube já projeta um cenário negativo para 2015, e prevê encerrar o ano com um déficit de R$ 54 milhões.

“Os quatro clubes vivem um drama financeiro e geram receitas não condizentes com os custos. A má administração dos recursos vai obrigá-los a economizar”, disse o consultor de marketing e gestão esportivo Amir Somoggi.

Para o especialista, nem mesmo o Palmeiras tem muito a comemorar. O clube apresenta dados melhores que os rivais, principalmente na comparação entre os dados da receita no intervalo do último ano. O aumento se deve à intensa negociação de jogadores.

Por outro lado, os dados neste segmento estão em descompasso com o crescimento do custo de departamento de futebol. Em um ano, a equipe aumentou em 51% o gasto neste setor, principalmente para se reforçar para a retorno à Série A. Quem bancou boa parte do investimento foi o presidente Paulo Nobre, que emprestou para o clube R$ 115 milhões. “É ruim o presidente ter esse poder financeiro sobre o clube, porque fica um débito para pagar”, disse Somoggi. Por contrato, o Palmeiras tem 15 anos para devolver o investimento ao dirigente.

No caso do Santos, a crise financeira já afetou o time no começo do ano, quando alguns jogadores entraram na Justiça para exigir pagamentos atrasados. Segundo Pedro Daniel, o clube sofre com dívidas pelos empréstimos bancários e tem como grande obstáculo o baixo potencial de arrecadação com a Vila Belmiro.

Enquanto Palmeiras e Corinthians desfrutam de novas arenas e o São Paulo se apoia na grande capacidade do Morumbi, o estádio santista virou vilão. De acordo com o especialista, o clube alvinegro deveria mandar mais jogos em outros locais para poder alavancar o lucro com bilheteria.

0
Sexta, 01 Maio 2015 18:07

O técnico do Santos, Marcelo Fernandes, fez questão de nesta sexta-feira esfriar a principal polêmica dos dias que antecedem à final do Campeonato Paulista, domingo, contra o Palmeiras. Para o comandante alvinegro, o vídeo gravado pelos seus jogadores não foi uma provocação e representa pouco perto de outros atos dos adversários.

Na noite de quinta-feira foi publicada na internet uma gravação antes do jogo de ida, no último domingo, no Allianz Parque, em que Robinho, Gabriel e Alison cantam um funk em que prometem "detonar" o Palmeiras. A gravação causou críticas dos palmeirenses e levou até mesmo o meia santista Lucas Lima a prometer buscar quem vazou o material para pessoas de fora do elenco.

"Eu vi o vídeo. Qual é o problema? O Robinho tem de cantar um funk dizendo que o Palmeiras vai ganhar? Foi uma brincadeira interna. Eu não vi desrespeito nenhum", disse o técnico. "Vimos várias coisas do outro lado e não estamos levando nada para o outro lado. Ninguém comemorou lá. Acabamos comemorando pelo desempenho com um jogador a menos", completou o treinador, sem dar detalhes de quais foram as possíveis atitudes provocativas dos palmeirenses.

O técnico não quis confirmar o time, nem mesmo com a presença de Robinho, que se recupera de lesão na coxa esquerda. Como nos outros dias, o Santos vai treinar sem a presença dos jornalistas. Nesta sexta-feira e no sábado a atividade será secreta. Na quinta, somente os 15 primeiros minutos foram abertos.

0
Sexta, 01 Maio 2015 18:05

Todo o clima de tensão e expectativa para a decisão entre Santos e Palmeiras, domingo, na Vila Belmiro, foi por água abaixo, pelo menos no lado alviverde, com a entrevista do técnico Oswaldo de Oliveira nesta sexta-feira. Demonstrando muito bom humor, ele brincou sobre o funk feito pelos jogadores do Santos, falou dos Beatles e até da máquina de café instalada para os jornalistas na Academia de Futebol.

Antes mesmo de começar a entrevista coletiva, Oswaldo apareceu na sala de imprensa com um largo sorriso e após cumprimentar os jornalistas revelou uma cobrança aos dirigentes. "Vocês (jornalistas) têm uma máquina de café muito boa. Ontem (quinta-feira) trouxe o Cícero (Souza) e o Alexandre (Mattos) para conhecer a máquina e pedi uma dessa para a gente. Se eles não conseguirem, vou levar a que está aí", brincou. Mas nada de açúcar. "Parei de colocar açúcar nas coisas em 1991. De doce, já basta a vida", filosofou.

Ao ser questionado sobre o vídeo em que Robinho, Gabriel e Alison aparecem cantando um funk onde dizem que vão "detonar" o Palmeiras, mais uma vez o treinador usou do bom humor. "Achei maravilhoso. O Robinho é um cara sensacional. Aprendi a admirá-lo, porque ele é espontâneo e brincalhão. Faz parte e é a personalidade dele. Achei ótimo", comentou. Para criticar, apenas o gosto musical dos adversários. "Gosto de música de qualidade. No meu home theater e em uma sala, ouço outro tipo de música. O vídeo não tinha essa qualidade", completou.

Por falar em música, Oswaldo contou qual seria a trilha sonora preferida para o caso de o Palmeiras conquistar o título no domingo. "Isso é uma coisa muito de oportunidade, mas acho que se isso (título) acontecer, vou reviver os Reis do Ié-ié-ié", disse, se referindo aos Beatles e relembrando o fato ocorrido no dia 22 de março, quando se irritou com um torcedor que ficou pedindo a entrada de Gabriel Jesus na partida contra o São Bernardo e comparou os gritos do torcedor ao das fãs da banda inglesa. "Esses dias vi uma caricatura dos Beatles e em todos eles a cara que aparecia era a minha. Dei muita risada", contou.

Até o tempo da entrevista coletiva foi motivo de brincadeira do treinador, que se surpreendeu com o fato de ela durar pouco mais de 30 minutos. "Mas já acabou? Puxa! Da vez passada, falei muito mais. Caraca! Bom, vamos conversar, então", pediu.

 

0
Sexta, 01 Maio 2015 15:08

A dúvida sobre a escalação de Valdivia na partida contra o Santos, domingo, pela decisão do Campeonato Paulista, foi praticamente desfeita pelo técnico Oswaldo de Oliveira durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, na Academia de Futebol. O treinador deixou claro que vai utilizar o chileno e ressaltou a evolução física que ele tem demonstrado nas atividades que estão acontecendo sem que a imprensa tenha acesso. 

"Na segunda e na terça-feira, ele fez trabalhos individualizados. Na quarta, treinou com o grupo e treinou bem, assim como aconteceu ontem (na quinta-feira). A minha expectativa é que seja melhor ainda nos próximos treinos. A evolução dele é clara", disse o treinador, "comemorando" o fato de não ter utilizado o chileno na primeira partida da final, realizada domingo passado.

Assim como aconteceu nesta semana, no primeiro jogo também se criou um mistério sobre a utilização do jogador. "Tudo isso vai ao encontro daquilo que a gente projetou no final de semana passado. Era arriscado usá-lo naquele jogo, porque teria a chance de ele sentir agora. Agora estamos convictos que ele evoluiu bem e a tendência é que isso vá se somando até domingo", completou. 

Em relação ao restante do time, Oswaldo não deu muitas pistas. Apenas confirmou Fernando Prass, como aconteceu na primeira partida, e deixou escapar que Robinho deve atuar como volante se Arouca realmente ficar fora, como é esperado. Ele tenta se recuperar de um estiramento na coxa esquerda. 

Assim, apesar de tanto mistério, com treinamentos fechados e tudo mais, a tendência é que o Palmeiras enfrente o Santos praticamente com o mesmo time da primeira partida. A única mudança é a entrada de Valdivia no lugar de Arouca. A equipe vai a campo com: Fernando Prass; Lucas, Vitor Hugo, Victor Ramos e Zé Roberto; Gabriel, Robinho, Valdivia, Rafael Marques e Dudu; Leandro Pereira.

0
Sexta, 01 Maio 2015 11:47

Como aconteceu na semana passada, o mistério impera no lado do Palmeiras e tudo isso faz parte da semana diferenciada de uma decisão. O técnico Oswaldo de Oliveira resolveu fechar os treinos de quinta e sexta-feira e não pretende dar pistas de quem joga contra o Santos, domingo, na Vila Belmiro, pela volta da final do Campeonato Paulista. A dúvida maior está sobre Valdivia.

O treinador falou após o primeiro jogo que preparava o chileno para ser titular no domingo. Entretanto, ainda não é certo que isso vá acontecer. Algo que cria ainda mais dúvidas na escalação é a contusão de Arouca. Dificilmente o volante terá condições de jogo, mas Oswaldo nutre um fio de esperança.

Se o volante realmente ficar fora, Robinho deve ser recuado e abre uma vaga no meio para Cleiton Xavier e Valdivia disputarem. Cleiton ainda não tem condições de atuar 90 minutos, por isso, está em desvantagem na briga com o chileno, sobre o qual também não se sabe ao certo a real condição física.

Uma certeza é que Leandro Pereira, autor do gol da vitória no primeiro jogo da decisão, está confirmado na partida e parece ter entendido bem as exigências do treinador. "Não posso falar nada, né? Se eu falar, estarei dando armas para o adversário", disse, em tom de brincadeira, ao ser questionado sobre o time que vai a campo no domingo.

O Palmeiras volta aos treinamentos na tarde desta sexta-feira, na Academia de Futebol, às 16h. Antes, Oswaldo de Oliveira atende a imprensa.

 

0

PUBLICIDADE

Anacã
Bogas
Atlântica

PUBLICIDADE

Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.