29 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Israel diz que destruiu infraestrutura do Hamas e encerra grandes operações no norte de Gaza

Israel diz que destruiu infraestrutura do Hamas e encerra grandes operações no norte de Gaza

Os militares não mencionaram futuros envios de tropas para o norte de Gaza

08/01/2024 10h21 - Atualizado há 2 meses Publicado por: Redação
Israel diz que destruiu infraestrutura do Hamas e encerra grandes operações no norte de Gaza Foto: Arte / Jornal Primeira Página

Reportagem: Estadão Conteúdo

O exército de Israel disse que completou as grandes operações de combate no norte de Gaza e concluiu o desmantelamento da infraestrutura militar do Hamas na área – exatamente quando a guerra contra o grupo terrorista completa três meses.

Os militares não mencionaram futuros envios de tropas para o norte de Gaza. O seu porta-voz, o contra-almirante Daniel Hagari, disse que as forças continuarão a “construir sobre o que foi alcançado” ali, fortalecer as defesas ao longo da cerca entre Israel e Gaza e concentrar-se nas áreas central e sul do território.

O anúncio foi feito antes da visita do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a Israel. Membros da administração de Joe Biden, incluindo Blinken, instaram Israel a reduzir a sua dura campanha aérea e terrestre em Gaza e a optar por ataques mais direcionados contra os líderes do Hamas, com o objetivo de evitar danos aos civis palestinos.

Nas últimas semanas, Israel já vinha reduzindo a sua operação militar no norte de Gaza e intensificando o avanço no sul do território, onde a maioria dos 2,3 milhões de palestinos que vivem em Gaza estão presos em áreas cada vez menores sob bombardeios israelenses, no que vem se configurando como uma catástrofe humanitária.

A guerra começou com o ataque do Hamas, em 7 de outubro, ao sul de Israel, no qual os terroristas-hjklr mataram cerca de 1.200 pessoas, a maioria delas civis, e capturaram aproximadamente 250 pessoas.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, insistiu novamente que a guerra não terminará até que os objetivos de eliminar o Hamas, recuperar os reféns israelenses e garantir que Gaza não seja uma ameaça para Israel sejam alcançados.

“Digo isto tanto aos nossos inimigos como aos nossos amigos”, disse ele. “Esta é nossa responsabilidade e é obrigação de todos nós.” A retaliação israelense por via aérea, terrestre e marítima matou mais de 22,8 mil palestinos e feriu mais de 58 mil, segundo o Ministério da Saúde de Gaza – um território controlado pelo Hamas. Os números não têm uma confirmação independente.

O número de mortos não faz distinção entre civis e combatentes. As autoridades de saúde dizem que cerca de dois terços dos mortos eram mulheres e crianças. Israel culpa o Hamas pelas muitas vítimas civis, porque o grupo opera em bairros residenciais populosos.

Jornalistas mortos

Dois jornalistas foram mortos, em um ataque aéreo perto da cidade de Rafah, no sul. Dentre as vítimas está Hamza Dahdouh, filho mais velho de Wael Dahdouh, o principal correspondente da Al-Jazeera em Gaza, disseram o canal árabe e médicos locais. A Al-Jazeera exibiu imagens de Dahdouh chorando sobre o corpo de seu filho e segurando sua mão antes de ir embora atordoado.

Os militares israelenses não fizeram comentários imediatos. A Al Jazeera condenou categoricamente os assassinatos e outros “ataques brutais contra jornalistas e suas famílias” e instou o Tribunal Penal Internacional, os governos e os grupos de direitos humanos a responsabilizarem Israel.

Dahdouh já havia perdido outros quatro parentes – sua esposa, dois filhos e um neto – num ataque em 26 de outubro, e ele próprio foi ferido num ataque israelense no mês passado que matou um colega. “O mundo está cego para o que está acontecendo na Faixa de Gaza”, disse Dahdouh.

Outro ataque aéreo atingiu uma casa entre Khan Younis e a cidade de Rafah, no Sul, matando pelo menos sete pessoas cujos corpos foram levados para um hospital próximo, de acordo com um jornalista da Associated Press presente no local.

Um homem correu para pegar um bebê e logo depois o carregou enrolado em um cobertor até o necrotério. “Tudo o que acontece aqui está fora do âmbito da lei, fora do âmbito da razão. Nossas mentes não conseguem compreender totalmente tudo o que está acontecendo conosco”, disse uma parente enlutada, Inas Abu al-Najja, elevando a voz trêmula.

Os homens trabalhavam entre os escombros com picaretas e com as próprias mãos. Autoridades do hospital Nasser, na cidade de Khan Younis, no sul do país, receberam no domingo os corpos de 18 pessoas, incluindo 12 crianças, que morreram em um ataque israelense na noite de sábado. Mais de 50 pessoas ficaram feridas no ataque a uma casa no campo de refugiados de Khan Younis, que foi criado há décadas para abrigar refugiados da guerra de 1948 no Oriente Médio.

Entidades internacionais retiram equipes de Gaza

As forças israelenses avançavam sobre a cidade central de Deir al-Balah, onde moradores de vários bairros foram avisados no sábado, por meio de panfletos lançados sobre a cidade, para evacuarem suas casas. A instituição de caridade internacional Médicos Sem Fronteiras disse que retirará sua equipe médica e suas famílias do Hospital dos Mártires de Al Aqsa, em Deir al-Balah, devido ao perigo crescente.

Uma bala atravessou uma parede da unidade de terapia intensiva do hospital na sexta-feira, e “ataques de drones e disparos de franco-atiradores ocorreram a apenas algumas centenas de metros do hospital” nos últimos dias, disse Carolina López, coordenadora de emergência do grupo hospitalar.

Ele acrescentou que o hospital recebeu entre 150 e 200 feridos diariamente nas últimas semanas. O Comité Internacional de Resgate e Assistência Médica aos Palestinianos informou que ele também foi forçado a deixar o hospital. “O número de feridos nos últimos dias foi horrível”, disse o cirurgião Nick Maynard, da equipe médica do Comitê, em comunicado.

A Organização Mundial da Saúde apelou pela proteção dos profissionais de saúde em toda Gaza. Hagari, o porta-voz militar, disse que são esperados combates dispersos no norte de Gaza, juntamente com disparos esporádicos de foguetes de lá em direção a Israel. Ele observou que os integrantes do Hamas “sem estrutura e sem comandantes” ainda estão presentes.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x