28 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Maduro e presidente da Guiana têm interesse de diálogo sobre Essequibo

Maduro e presidente da Guiana têm interesse de diálogo sobre Essequibo

A conversa foi promovida pela Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e pela Comunidade do Caribe (Caricom)

15/12/2023 07h23 - Atualizado há 2 meses Publicado por: Redação
Maduro e presidente da Guiana têm interesse de diálogo sobre Essequibo Foto: Arte / Jornal Primeira Página

Reportagem: Estadão Conteúdo

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, e o presidente da Guiana, Irfaan Ali, se encontraram na última quinta-feira, 14, para discutir a disputa pelo Essequibo. Após a reunião, Caracas relatou que os dois lados expressaram a disposição em manter o diálogo para conter a crise.

A conversa foi promovida pela Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e pela Comunidade do Caribe (Caricom), com apoio do Brasil, e tenta conter a crise que preocupa todo continente. O assessor especial da presidência para assuntos internacionais e ex-ministro Celso Amorim foi escalado pelo governo brasileiro como mediador.

O perfil de Maduro nas redes sociais transmitiu a chegada do ditador a São Vicente e Granadinas, o pequeno país caribenho que foi palco das conversas. No desembarque, ele disse ter ido buscar soluções “pela única via que existe, que é a via do diálogo e a da negociação”.

Tanto Maduro como Ali foram recebidos no aeroporto pelo primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, e participaram de conversas separadas com líderes da Caricom. Só depois, por volta das 15h (horário de Brasília), começou a bilateral.

A disputa pelo Essequibo tem mais de 200 anos, mas se intensificou a partir de 2015, com a descoberta de petróleo no território de 160.000 quilômetros quadrados, que corresponde a 75% da Guiana. No início do mês, o regime chavista promoveu um referendo para discutir a criação do Estado chamado Guiana Essequiba no território que pertence ao país vizinho. Com a vitória no plebiscito marcado pela baixa participação, Maduro já designou o general Alexis Rodríguez Cabello como interventor e montou um plano para explorar petróleo na região.

Georgetown vê o avanço de Caracas como uma ameaça à soberania e afirma que as fronteiras não estão em discussão. O país pede a Corte Internacional de Justiça (CIJ) que confirme a arbitragem de 1899 e o presidente Irfaan Ali tem reiterado que se prepara para defender a Guiana, inclusive, no “pior cenário possível”, em referência ao risco de um conflito armado.

O que é Essequibo?

A Venezuela e a Guiana lutam há mais de um século pelo território de Essequibo, uma região de 160 mil quilômetros quadrados rica em petróleo e minerais, administrada pela Guiana

Onde fica Essequibo?

O território de Essequibo corresponde a 75% do que hoje é a Guiana. A Guiana é um país localizado no norte da América do Sul, com fronteiras, ao sul, com o Brasil, com a Venezuela no Sudoeste e com o Suriname ao leste.

Quais Estados brasileiros fazem fronteira com a Guiana?

Roraima e Pará. A fronteira do Brasil com a Guiana tem extensão de 1.605,8 km. Especificamente a região reivindicada pela Venezuela faz fronteira com o território brasileiro só através do Estado de Roraima. Há uma ponte que conecta a cidade brasileira de Bonfim à cidade de Lethem.

Por que a Venezuela quer parte da Guiana?

A Venezuela sempre considerou Essequibo como seu território porque a região esteve dentro das suas fronteiras durante o período colonial espanhol. Após declarar independência da Espanha, em 1811, a Venezuela avançou em direção ao rio Essequibo. Três anos depois, o Reino Unido assumiu o controle do que hoje é Guiana. A definição das fronteiras ficou em aberto, e a coroa britânica ficou com o território. Então, em 1899, foi convocado um tribunal internacional e ficou decidido que o Essequibo pertencia à Guiana.

Cinco décadas mais tarde, a Venezuela voltou a contestar o território. Em 1966, a Venezuela e o Reino Unido (que comandava a Guiana) assinaram o Acordo de Genebra, para buscar uma solução para o conflito fronteiriço, reconhecendo a existência de uma controvérsia decorrente da sentença de 1899. Contudo, as tratativas associadas a esse acordo continuaram a se desdobrar ao longo do tempo, sem que se alcançassem resultados concretos. Agora, a Guiana pede à Corte Internacional de Justiça que a decisão de 1899 seja mantida enquanto a Venezuela usa a brecha de 1966 para reivindicar o território.

A disputa foi reavivada depois que a empresa americana ExxonMobil descobriu grandes reservas de petróleo na área. As tensões, no entanto, aumentaram depois de a Guiana anunciar um leilão de exploração de petróleo na área. Caracas alega que Georgetown não tem o direito de lançar concessões em áreas marítimas na região.

Quantos militares têm a Venezuela?

Segundo o Anuário Militar de 2023 do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, de Londres), a Venezuela 123 mil militares na ativa, mais 220 mil paramilitares e equipamentos obtidos da Rússia e da China, duas potências militares globais.

Quantos militares têm a Guiana?

O país de 750 mil habitantes conta com apenas 3,4 mil soldados, dos quais metade estão em funções na segurança pública. Ou seja, são policiais, sem treinamento de combate. O país também tem poucos equipamentos militares: são seis blindados brasileiros Cascavel-EE9, fabricados pela extinta Engesa em 1984.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x