29 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Novo presidente de Taiwan terá desafios nas relações com China e EUA

Novo presidente de Taiwan terá desafios nas relações com China e EUA

Analistas esperam algum tipo de demonstração de descontentamento, mas dizem que o sinal mais forte poderá não vir até maio, quando Lai tomar

16/01/2024 12h58 - Atualizado há 1 mês Publicado por: Redação
Novo presidente de Taiwan terá desafios nas relações com China e EUA Foto: Arte / Jornal Primeira Página

Reportagem: Estadão Conteúdo

O novo presidente de Taiwan, Lai Ching-te, promete mais do mesmo. A questão é o que isso trará, não só para Taiwan, mas também para as suas relações com a China, os Estados Unidos e outros países com interesse na ilha autogovernada que fornece muitos dos semicondutores avançados que mantêm o mundo funcionando.

Lai Ching-te prometeu continuar as políticas da sua antecessora, Tsai Ing-wen, que fortaleceu as forças armadas e aumentou os laços com os Estados Unidos e outros países aliados.

Ele também se comprometeu a fazer um melhor trabalho na abordagem de questões internas, como habitação a preços acessíveis e desigualdade econômica.

A nova administração terá de gerir as relações com a China. Analistas esperam algum tipo de demonstração de descontentamento, mas dizem que o sinal mais forte poderá não vir até maio, quando Lai tomar posse. Podem ser exercícios militares em torno da ilha, restrições às importações de Taiwan ou ambos.

A China fez as duas ações no passado, nomeadamente realizando grandes exercícios após a visita de 2022 à ilha da então presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi.

O país enviou caças e navios de guerra para os céus e águas ao redor de Taiwan quase diariamente, um lembrete constante da ameaça de invasão se o governo se recusar a tornar-se parte da China.

Um ex-funcionário do governo dos EUA disse que o desejo da China de punir Taiwan será atenuado por duas considerações. “Uma delas é que Pequim quer restringir o presidente eleito Lai, e não o provocar”, disse Danny Russel, que foi secretário de Estado adjunto para a Ásia Oriental e Pacífico na administração Obama, em comentário. “O outro fator é a relutância de Pequim em provocar Washington no momento em que os EUA se dirigem para uma turbulenta temporada de campanha”, disse Russel.

Os analistas esperam que o Partido Democrático Progressista (DPP) de Lai, com oito anos consecutivos de relações de trabalho com Washington, aproveite a amizade existente para aprofundar as relações, incluindo no comércio, no investimento e nas forças armadas.

Embora os EUA não tenham laços diplomáticos oficiais com Taiwan, o país é a principal fonte de equipamento militar e cooperação da ilha.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x