14 de Julho de 2024

Dólar

Euro

Kleber Chicrala

Jornal Primeira Página > Notícias > Kleber Chicrala > A invenção do rádio é atribuída ao físico italiano Guglielmo Marconi e utilizado atualmente para a Difusão Científica

A invenção do rádio é atribuída ao físico italiano Guglielmo Marconi e utilizado atualmente para a Difusão Científica

Guglielmo Marconi foi um físico e inventor italiano

05/02/2023 05h01 - Atualizado há 1 ano Publicado por: Redação
A invenção do rádio é atribuída ao físico italiano Guglielmo Marconi e utilizado atualmente para a Difusão Científica Fotos: Divulgação

A invenção do rádio é atribuída ao italiano Guglielmo Marconi, mas o instrumento reúne uma série de descobertas anteriores. No Brasil, a primeira transmissão ocorre em 1923, por Edgard Roquete Pinto e Henry Morize. O rádio é a união de três tecnologias: a telegrafia, o telefone sem fio e as ondas de transmissão.

Inventor do primeiro sistema prático de telegrafia sem fios (TSF), em 1896. Marconi se baseou em estudos apresentados em 1897 por Nikola Tesla para em 1899 realizar a primeira transmissão através do Canal da Mancha. A teoria de que as ondas electromagnéticas poderiam propagar-se no espaço, formulada por James Clerk Maxwell, e comprovada pelas experiências de Heinrich Hertz, em 1888, foi utilizada por Marconi entre 1894 e 1895. Tinha apenas vinte anos, em 1894, quando transformou o celeiro da casa onde morava em laboratório e estudou os princípios elementares de uma transmissão radiotelegráfica, uma bateria para fornecer eletricidade, uma bobina de indução para aumentar a força, uma faísca elétrica emitida entre duas bolas de metal gerando uma oscilação semelhante as estudadas por Heinrich Hertz, um Coesor, como o inventado por Édouard Branly, situado a alguns metros de distância, ao ser atingido pelas ondas, acionava uma bateria e fazia uma campainha tocar.[2]

Em 1896, foi para a Inglaterra, depois de verificar que não havia nenhum interesse por suas experiências na Itália. Em 1899, teve sucesso na transmissão sem fios do código Morse através do Canal da Mancha. Dois anos mais tarde, conseguiu que sinais radiotelegráficos (a letra S do código morse) emitidos de Inglaterra, fossem escutados claramente em St. John’s (Terra Nova, hoje parte do Canadá), atravessando o Atlântico Norte. A partir daí, fez muitas descobertas básicas na técnica rádio.

Em 1909, 1 700 pessoas são salvas de um naufrágio graças ao sistema de radiotelegrafia de Marconi. Em 1912 a companhia Marconi já produzia aparelhos de rádio em larga escala, particularmente para navios. Em 1915, durante e depois da Primeira Guerra Mundial assumiu várias missões diplomáticas em nome da Itália e em 1919 foi o delegado italiano na Conferência de Paz de Paris.

De Marconi para os dias atuais, a divulgação científica pelas ondas do rádio é uma realidade, usada como “ferramenta de trabalho” pelo radialista e jornalista científico Kleber Jorge Savio Chicrala do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CEPOF) – INCT – IFSC – USP( Coordenado pelo Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato), com destaque as vinhetas educativas via rádios intitulada “Conhecendo Mais”, que divulga e educa ensinando como foram inventadas ou descoberta “ as coisas”, a exemplo do próprio rádio, da televisão, da internet, do telégrafo, ou até mesmo a curiosa invenção e descoberta da pólvora, ou simplesmente do nosso sapato.

Essas inúmeras curiosidades educativas de invenções gravadas pelo “divulgador científico” de sobrenome Chicrala, e divulgadas pelas “ondas das rádios”, é um material educativo que pode ser utilizado e multiplicado nas escolas como complemento e reforço das matérias ensinadas pelos professores.    Afinal, hoje temos os “ podcast “, o “tiktok”, e outros aplicativos e “ferramentas” nas redes sociais, e em tantos outros veículos de comunicação de massa, inclusive o tradicional e necessário rádio, que chega de forma a socializar (sem exclusão) as informações para inúmeras pessoas nos locais mais isolados do planeta.

“ Levar o conhecimento científico a toda população, de uma forma fácil e compreensível, e assim torna-la parte de todo processo e da ciência que desenvolvemos…”, afirma o Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato ( CEPOF – INCT – IFSC – USP), sobre os trabalhos de difusão científica nas rádios.

A divulgação científica pelas ondas do rádio é uma realidade, usada como “ferramenta de trabalho” pelo radialista e jornalista científico Ms. Kleber Jorge Savio Chicrala do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CEPOF) – INCT – IFSC – USP

Você pode ouvir agora um exemplo dos trabalhos de divulgação científica para as rádios: gravadas e criadas pelo radialista e jornalista Kleber Chicrala. Clique e ouça:

Fontes: Ms. Kleber Jorge Savio Chicrala – Radialista e Jornalista – Jornalismo e Radialismo Científico – CEPOF – INCT – IFSC – USP; Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato – Coordenador do CEPOF – INCT – IFSC – USP; e  www.wikipedia.org.    

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
plugins premium WordPress
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x