13 de Abril de 2024

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Docente da UNICEP capacita dentistas da rede pública

Docente da UNICEP capacita dentistas da rede pública

Giovana Fernandes ministrou, na última quinta-feira (27), capacitação para tratamento da DTM (Disfunção Temporomandibular)

04/08/2023 20h45 - Atualizado há 8 meses Publicado por: Redação
Docente da UNICEP capacita dentistas da rede pública

A docente da UNICEP, Giovana Fernandes, ministrou, na última quinta-feira (27), uma capacitação para o tratamento da DTM (Disfunção Temporomandibular), direcionada aos dentistas da rede pública.

Giovana Fernandes é Cirurgião-dentista, Mestre e Doutora em Reabilitação Oral e Especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial. A capacitação foi elaborada por Lilian Almeida Pinheiro supervisora do Centro de Especialidades Odontológicas e Ângela dos Santos do Departamento e Gestão do Cuidado Ambulatorial, ambas alunas do curso de Odontologia da UNICEP.

De acordo com a doutora, a Disfunção Temporomandibular é um conjunto de condições que podem afetar as articulações temporomandibulares (articulações próximas ao ouvido), os músculos da mastigação (músculos face) e outras estruturas associadas. Seus principais sinais e sintomas são dor, restrição nos movimentos da mandíbula e ruídos articulares.

“O sintoma que leva o paciente a procurar tratamento é a dor. Embora pouco conhecida a DTM apresenta uma alta prevalência. Poucas universidades apresentam, em sua grade curricular de graduação, como caráter optativo ou obrigatório, disciplina ou programa de formação em dor orofacial e disfunção temporomandibular. Essa falha curricular acarreta prejuízos na formação profissional do cirurgião-dentista, que sente, muitas vezes, incapacitado em atender pacientes com sinais e sintomas de DTM. Por isso, poucos profissionais são capacitados para tratar a DTM e a maioria dos pacientes não consegue resolubilidade do seu problema de saúde na primeira instância, o que pode levar a cronificação da dor. A DTM crônica, é hoje, considerada a segunda condição musculoesquelética que causa mais anos de vida perdidos por incapacidade. Por isso, capacitar os profissionais da atenção básica pode oferecer ao paciente uma rápida resolução dos seus sinais e sintomas, e consequentemente, impedir a cronificação dos mesmos. ”, afirmou Giovana. O currículo da UNICEP contempla a disciplina.

A doutora explicou que a ideia da capacitação surgiu dos próprios cirurgiões-dentistas que trabalham na atenção primária. “Como a prevalência da DTM é alta, é frequente a procura de tratamento pelos pacientes. Os profissionais relataram que muitos pacientes ao serem recebidos para atendimento, chegam cansados da busca por tratamento e sem referência para onde devem ser direcionados. Além disso reconheceram um conhecimento limitado sobre sinais e sintomas das DTMs, o que pode dificultar o acesso, a busca por diagnóstico e tratamento dos pacientes. ”, disse.

E completou: “Outro importante aspecto a ser pontuado foi que os profissionais consideram ter limitação ao fazer diagnóstico de DTM e relatam ter tido pouca ou nenhuma formação acadêmica, dentro das suas escassas possibilidades de conhecimento de tratamento. Como conclusão os cirurgiões-dentistas enfatizaram que faltam cursos de capacitação na área de DTM/DOF e que por meio deste preparo enxerga-se uma oportunidade de os profissionais repensarem suas práticas e buscarem mudanças dentro do contexto que lhes é oferecido. ”.

Os profissionais capacitados serão responsáveis pela atenção primária, quando os pacientes serão tratados de forma conservadora com o objetivo de diminuir a dor e restauração da função. Os procedimentos preconizados para atenção primária são: orientações educativas e preventivas; exercícios terapêuticos realizados em casa pelo próprio paciente; terapias térmicas e terapia medicamentosa. Após o tratamento, o paciente deve ser acompanhado a atenção primária e a frequência do seu atendimento deve ser definida pela avaliação de sinais e sintomas de DTM e fatores de risco individuais. Portanto, a periodicidade dos retornos/avaliações deve ser individualizada, de acordo com cada situação.

“Se a sintomatologia não melhorar após 15 dias, o paciente deverá ser instruído a procurar o curso de Odontologia da UNICEP que oferece tratamento a baixo custo para DTM”, sob a supervisão da Profa. Dra. Giovana Fernandes, especialista na área.

O tratamento é aberto para toda população que apresente sinais e sintomas de DTM. O atendimento acontecerá às quintas-feiras, das 19h30 às 22h na Clínica Odontológica da UNICEP. Para ser atendido, basta entrar em contato pelo telefone (16) 3362-2111.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x