29 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Mineradora pode destruir Estrada de Ubá

Mineradora pode destruir Estrada de Ubá

Tráfego de caminhões carregados com areia pode abreviar vida útil de vicinal que não recebeu asfalto preparado para este tipo de veículo

05/02/2024 23h58 - Atualizado há 3 semanas Publicado por: Redação
Mineradora pode destruir Estrada de Ubá

Nem sequer foi inaugurada e a Rodovia Vicinal ITR-020 faz ligação da estrada vicinal Itirapina ao bairro Ubá, em Itirapina, já está ameaçada de uma deterioração precoce. O problema está nas atividades da Mineração Angico Ltda, CNPJ  30.669.639/0001-25, localizada na Fazenda Grão de Ouro.

As áreas ambientalmente protegidas são espaços, definidos por meio de leis e decretos, com objetivo de preservar e conservar o patrimônio natural dos nossos ecossistemas, bem como garantir seus aspectos ecológicos, geológicos, históricos e culturais.

Dezenas de caminhões carregados passam diariamente pela vicinal. Como a rodovia não foi preparada para resistir a este tráfego pesado, a vida útil do asfalto pode ser bem curta.  A Estrada de Ubá tem extensão de 6 km e investimento previsto de R$ 12.798.830,67.

Em 2022, o Ministério Público Federal (MPF) localizado em São Carlos recebeu uma denúncia contra a mineradora, que, de acordo com uma fonte, estaria promovendo a retirada de areia de sua sede, no bairro rural de Ubá, em Itirapina (SP) sem as devida autorização da União para a lavra do minério e a licença ambiental da CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). De acordo com os denunciantes, a mineradora teria o aval do Agência Nacional de Mineração apenas para realizar a pesquisa, mas não para a lavra da jazida de areia.

A atividade industrial da Angico revoltou os proprietários de chácaras em Ubá e também moradores da região de bairros de Itirapina, pois interrompeu a tranquilidade de uma das áreas mais bonitas e bucólicas do Estado de São Paulo, além de aumentar o tráfego pesado de veículos dentro da área urbana, o que também estaria comprometendo o pavimento asfáltico de várias ruas. Segundo um dos moradores daquele, bairro o problema começa de madrugada. “Às 2h os caminhões já começam a circulam, promovendo uma barulhada e atormentando todo mundo. Não temos mais nem o direito de dormir em paz. E o pior é que os políticos fecham os olhos. Ninguém faz nada”, disse um morador.

Para agravar ainda mais a situação, a Angico teria planos de explorar uma nova jazida de areia de quartzo na Região do Passa Cinco, considerado um santuário ecológico, o que está causando extrema revolta dos ambientalistas itirapinenses. “É uma situação absurda. Querem acabar com o paraíso ecológico de Itirapina. E o pior é que não vemos a Prefeitura Municipal se manifestar em defesa dos biomas e do ecossistema em geral. É um total absurdo”, disse um cidadão que não quis se identificar.

Em uma outra entrevista, o secretário municipal de Meio Ambiente de Itirapina,  Andreolli, confirmou que a Angico está retirando areia de Ubá de forma irregular, mas afirmou que não cabe ao município fazer este tipo de fiscalização. “Quem autoriza e fiscaliza a mineração é a CETESB e mesmo conhecendo a situação irregular não podemos fazer nada”. Ele também confirmou que a atividade mineral está sendo realizada em área de preservação ambiental.

O membro do COMDEMA (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente), José Anísio, afirma que a Angico teria começado a operar em Itirapina antes de ele fazer parte do conselho. Ele negou que teria sido afastado do COMDEMA ao se colocar contra a empresa. “Isso não é verdade”, ressaltou.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x