29 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Cultura

Jornal Primeira Página > Notícias > Cultura > Itirapinense irá desfilar na Apoteose do Samba

Itirapinense irá desfilar na Apoteose do Samba

Antonio Bueno desfilará pela sexta vez na Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, no Rio de Janeiro

04/02/2024 08h14 - Atualizado há 4 semanas Publicado por: Redação
Itirapinense irá desfilar na Apoteose do Samba

Marlene Macedo

O itirapinense Nivaldo Antonio Bueno, desfilará pela sexta vez, na Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, no Rio de Janeiro, levando o nome e a alegria contagiante de nossa região à Apoteose do Samba. O itirapinense é um grande ícone da cultura local, sempre envolvido com artes, e participando ativamente de shows, apresentações artísticas e culturais,  levando o nome de Itirapina, e toda região à grandes realizações artísticas. Nivaldo conta que desde criança tem memórias afetivas do Carnaval. Quando, morando na zona rural de Itirapina, seus pais o levava, ainda pequeno à cidade de Rio Claro, para assistir aos desfiles carnavalescos, e que o amor pela folia de momo nasceu vendo, ao longo de sua infância e juventude, as festas populares e sua família, sempre assistindo os carnavais. Quanto ao amor pela “Estação Primeira de Mangueira”, também foi cultivada em sua família, pois seus pais e familiares sempre torciam e assistiam a escola de samba, pela televisão, com um sonho talvez de um dia participarem ou assistirem a um desfile no Sambódromo carioca, o que nunca aconteceu. Porém em 2016 Nivaldo realizou esse sonho, desfilando enfim pela primeira vez na sua escola do coração e conta-nos sobre sua trajetória no samba, e da emoção de entrar na Apoteose, sempre levando um pouco de nossa gente, de nossa história e muito de sua família para a avenida:

 

PP- Como você fez para chegar até a Verde e Rosa e assim, desfilar pela primeira vez?

Nivaldo: Eu sempre tive vontade de desfilar na Mangueira, e em 2016, a Maria Bethânia que foi a homenageada com o samba enredo: “Maria Bethânia a Menina dos Olhos de Oya”. Naquele ano fui até Santo Amaro da Purificação- Bahia, terra natal de Bethânia, para sentir a magia daquele local, que fui me envolvendo muito e desejando cada vez mais realizar meu sonho. Então entrei no site da escola, que dispunha de vários contatos para aquisição de fantasias e conversei com Dona Léa, que é uma das baluartes da escola, e comprei minha fantasia. Fui tão bem recebido por Dona Léa e por sua família, que no Carnaval nos conhecemos pessoalmente e assim todos os anos, não deixo de  cumprimentá-la, em seu carro alegórico, por tudo que ela significa para a escola. E em 2016, na minha primeira vez na avenida, fomos campeões!

 

PP- Qual foi a sensação de estar na avenida, no maior Carnaval do Brasil, desfilando e realizando um sonho?

Nivaldo: A primeira vez que eu cheguei no sambódromo, senti muita emoção, é inacreditável toda aquela movimentação de pessoas. O nervosismo toma conta da gente. Você vê aquela multidão na concentração parece que vai dar errado, de repente os fogos de artifício, todos se organizam em suas alas e aí a maravilha acontece, é muita emoção, e uma alegria sem fim.

PP- Como foram os anos seguintes de desfile?

Nivaldo: Era para ser só um ano de desfile, me programei para desfilar apenas em 016, realizar um sonho e nada mais.  Mas o amor pela Estação Primeira de Mangueira fala mais alto a cada ano. No ano seguinte em 2016, o samba enredo: Só com a ajuda do Santo”, eu quis experimentar a sensação de desfilar num carro alegórico, fiz contado com o diretor das alegorias e desfilei no carro 5:  O mito de São Jorge o Dragão.

Já em 2018, o samba enredo: “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco” desfilei no Boteco do Samba, junto de vários cantores entre eles: Jorge Aragão, Leci Brandão, Teresa Cristina, Alcione e outros, foi nesse carro que tive a alegria de desfilar ao lado da atriz Walkiria Ribeiro que hoje interpreta a personagem Rejane Miranda, na novela Fuzuê. Esse ano a escola fez uma dura crítica ao corte de verbas ao carnaval do Rio de Janeiro. Esse título também é o trecho de uma música (marchinha de carnaval), da década de 1940, Na época os festejos também estavam ameaçados pela crise econômica durante a guerra.

Em 2019 desfilei no carro abre alas, com o samba enredo: História para ninar gente grande”, vesti minha fantasia de índio, e mais uma vez vibrei ao ver nossa escola ser consagrada Campeão do Carnaval Carioca.

Já em 2020, novamente desfilei no carro abre alas, com o samba enredo: A verdade vos fará livre “, que contou a trajetória de Jesus Cristo, sendo uma missa a céu aberto, apresentando críticas à violência contra o povo negro e a intolerância religiosa. Minha alegoria em 2020 representava o nascimento de Jesus No carro Nelson Sargento representou José e Alcione, Maria. O grande destaque desse carro foi para escultura enorme do Menino Jesus Negro.

 

PP- Na pandemia, e pós pandemia, você não foi para a avenida, e agora está voltando. Alguma preparação especial para esse retorno?

Nivaldo: Com a pandemia vivemos momentos de muita tristeza, eu principalmente, perdi meus pais, e por isso tinha pensado em não voltar mais para o carnaval, mas após 3 anos decidi voltar, estou de volta ao sambódromo, para mais um desfile na minha escola do coração.

 

PP-Qual o enredo da Mangueira esse ano e como será sua fantasia?

Nivaldo: Para esse ano, uma grande cantora mangueirense, será a homenageada: Alcione, com o samba enredo: “A negra voz do Amanhã”. Retorno com uma belíssima fantasia de índio, no carro 2 que fará parte do carro abre alas. Será um desfile maravilhoso. Alcione merece toda essa homenagem, e que terá ao seu lado, no desfile, sua grande amiga, Maria Bethânia, portando haja coração. Mas o mais importante de tudo isso é aproveitar esses momentos que a vida nos proporciona. Quero homenagear em pensamento, quando estiver na Marques de Sapucaí, três pessoas que não estão mais nessa vida, e que adoravam o carnaval da Estação Primeira de Mangueira: meus pais Felício e Santa e meu tio Antônio Zanetti. Que vença a melhor!

 

PP- E após os desfile? Rio de Janeiro respira carnaval. O folião se despede da folia?

Nivaldo: Na terça-feira, após o desfile da Mangueira, irei desfilar no famoso Bloco “As Carmelitas”, um bloco fundado em 1990, que desfila no Bairro de Santa Teresa, onde fica o Convento das Carmelitas, origem do nome do bloco. O Bloco tem cerca de 200 integrantes, incluindo a bateria. Conta a história, que o bloco foi criado a partir de uma piada de que uma freira teria pulado os muros do convento para curtir o carnaval. Por isso o bloco desfila na sexta –feira de carnaval, quando a tal freira fujona teria saído do convento, e na terça feira de carnaval, quando a tal freira teria voltado para o seu lugar, por isso muitos participantes usam fantasias de freira, para que ninguém identifique a fujona. E assim estarei  nesse bloco, fechando assim, minha participação no carnaval 2024.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x