23 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Economia

Jornal Primeira Página > Notícias > Economia > Atividade da indústria sobe 1,2% em fevereiro

Atividade da indústria sobe 1,2% em fevereiro

29/03/2012 18h44 - Atualizado há 12 anos Publicado por: Redação
Atividade da indústria sobe 1,2% em fevereiro

O Indicador de Nível de Atividade (INA) referente ao comportamento da indústria paulista em fevereiro registrou alta de 1,2% frente a janeiro, segundo dados ajustados sazonalmente, informou nesta quinta-feira,29, aFederação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

 

Sem ajuste, o INA do mês passado avançou 3,0% em comparação com janeiro, mas em relação a fevereiro de 2011 o indicador desabou 8,8%. Houve também revisão da queda de 0,8% para de 1,5%, com ajuste sazonal, no INA de janeiro deste ano frente a dezembro de 2011.

A Fiesp também divulgou o resultado da pesquisa Sensor, que aponta a percepção dos empresários quanto às perspectivas econômicas. Em março, o Sensor ficou em 51,9 pontos, depois de ter apontado 48,8em fevereiro. Foio maior nível do indicador desde maio do ano passado, quando atingiu 52,2 pontos.

Projeções da própria Fiesp anunciadas em janeiro apontavam para recuperação da atividade industrial estadual neste ano, com crescimento de 1,5% em relação ao ano anterior, quando a alta foi de 0,6%.

As divulgações ocorrem três dias após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciar a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) menor para produtos de linha branca, além de incluir outros. O ministro também prometeu mais redução de custos de financiamento à indústria, além de outras medidas.

Mas representantes do setor empresarial e economistas ouvidos pela Reuters avaliaram que essas medidas não seriam suficientes para fazer a indústria voltar a crescer com mais força.

O objetivo do governo é estimular o setor industrial, após baixo crescimento em 2011. No último ano, a indústria da transformação, por exemplo, avançou apenas 0,1%, o que representou um dos principais motivos para a expansão, considerada baixa, de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB).

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x