20 de Junho de 2024

Dólar

Euro

Economia

Jornal Primeira Página > Notícias > Economia > IPCA sobe 0,64% em abril com preços de cigarros

IPCA sobe 0,64% em abril com preços de cigarros

09/05/2012 17h03 - Atualizado há 12 anos Publicado por: Redação
IPCA sobe 0,64% em abril com preços de cigarros

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,64% em abril, após alta de 0,21% em março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 9. Trata-se da maior elevação mensal desde abril de 2011, quando ficou em 0,77%, e acima do esperado pelo mercado.

 

No acumulado de 12 meses até abril, o IPCA avançou 5,10% no mês passado, mostrando queda ante os 5,24% de março. Mesmo assim, ainda permanece acima do centro da meta oficial do governo, de 4,5% neste ano.

Analistas ouvidos pela Reuters esperavam uma alta de 0,59% no mês passado, acumulando em 12 meses alta de 5,06%, de acordo com a mediana de 21 previsões. Para o mês passado, as projeções variaram entre 0,55 e 0,65%.

“Desde setembro o índice de 12 meses vem desacelerando, cada vez mais influenciado pela menor pressão de alimentos, que foram determinantes para a forte alta do IPCA no começo do ano passado”, afirmou a jornalistas a economista do IBGE, Eulina Nunes dos Santos.

De acordo com o IBGE, o principal destaque no mês foi o preço dos cigarros, com alta de 15,04%, além de ser o principal impacto no mês, com 0,12 ponto percentual no indicador. Também pesaram os salários dos empregados domésticos, que ampliaram a alta de 1,38% vista em março para 1,86 por cento no mês passado.

Os preços dos remédios também subiram 1,58% em março e, segundo o IBGE, esses 3 itens contribuíram com 0,24% no IPCA de abril, o equivalente a 38 por cento da taxa.

Segundo o IBGE, os outros setores que exerceram pressão sobre o IPCA no mês passado foram as despesas pessoais, com alta de 2,23%, com destaque para excursões (+1,88%), hotéis (+1,63%) e serviços bancários (+1,42%).

A lista de pressões de abril incluiu itens administrados, controlados e serviços. Além disso, o IBGE identificou os primeiros sinais do repasse da alta do dólar aos preços. Nesta quarta-feira, o dólar já voltou ao patamar de 1,85 real.

“Normalmente, quando o dólar sobe, (preços dos) produtos e artigos de limpeza sobem”, destacou a economista do IBGE. “Há indícios ainda na lista de alimentos impactados pelo dólar, como óleo de soja, alho, cerveja, que leva malte, além do fato de o dólar mais forte favorecer as exportações”, adicionou ela.

Os preços monitorados subiram entre março e abril de 0,18 para 0,47%, enquanto que os serviços de 0,52 para 0,76%.

Em maio, o IPCA será novamente impactado pelos preços administrados. Segundo Eulina, o índice vai captar altas de tarifa de energia de Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Salvador (BA) e Fortaleza (CE), entre outros.

“O mês de maio, pelos reajustes já concedidos, é um mês de pressão de administrados, mais do que foi em abril”, acrescentou ela.

 

JUROS MENORES

Apesar do movimento mais expressivo, segundo analistas, o Banco Central deve continuar reduzindo a Selic – hoje em 9% ao ano – porque, em 12 meses, o IPCA continuou desacelerando. Segundo o IBGE, a alta acumulada em 12 meses no IPCA até abril, de 5,10%, é a menor desde setembro de 2010, quando estava em 4,70%.

“Apesar da surpresa mensal, na base anual a inflação continua recuando e deixa o Banco Central mais tranquilo para cortar os juros, mas de maneira menos agressiva”, afirmou o estrategista-chefe do WestLB, Luciano Rostagno.

O comportamento da inflação é crucial para o BC dar continuidade à política de redução da taxa básica de juros, hoje em 9% ao ano, na busca de mais estímulos à economia. O objetivo do governo é garantir uma expansão na casa de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, apesar de internamente reconhecer que a tarefa é complicada.

Desde agosto passado, o BC já reduziu a Selic em 3,5% e já deu indicações que deve continuar cortando com “parcimônia”. O mercado acredita que, em maio, a taxa básica de juros deve ir a 8,50% ao ano. Sobre a inflação, as estimativas apontam que o IPCA fechará este ano em 5,12 e 2013, em 5,56%.

E para abrir espaço para mais reduções na Selic, o governo anunciou na semana passada alterações nas regras da poupança, cuja remuneração fixa era considerada um entrave para tal política de afrouxamento monetário.

Na terça-feira, já havia aparecido sinais de retomada de fôlego da inflação. O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) acelerou a alta para 1,02% em abril, ante elevação de 0,56 por cento em março, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Para o economista-chefe do Credit Agricole, Vladimir Caramaschi, o resultado do IPCA ainda é pontual e, por isso, acredita que o BC pode se apoiar na inflação acumulada em 12 meses para continuar a reduzir os juros.

“A pressão sobre serviços continua bastante forte, refletindo o mercado de trabalho estar numa situação bastante boa. Então, não é resultado (IPCA) que o BC deve estar comemorando, não. Mas é resultado ainda pontual, não dá para tirar grande conclusões”, afirmou ele. (reportagem adicional de Diogo Ferreira Gomes, no Rio, Silvio Cascione,em São Pauloe Alonso Soto, em Brasília)

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x