21 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Esporte

Jornal Primeira Página > Notícias > Esporte > Jornalista esportivo Washington Rodrigues, o Apolinho, morre aos 87 anos no Rio

Jornalista esportivo Washington Rodrigues, o Apolinho, morre aos 87 anos no Rio

Radialista lutava contra um câncer agressivo. Um dos principais repórteres da história do rádio, Washington comandava o “Show do Apolinho” n

16/05/2024 10h22 - Atualizado há 5 dias Publicado por: Redação
Jornalista esportivo Washington Rodrigues, o Apolinho, morre aos 87 anos no Rio Apolinho era um dos maiores comunicadores do Brasil FOTO: Agência Flamengo

DA REDAÇÃO 

Morreu nesta quarta-feira, 15 de maio, aos 87 anos, no Rio de Janeiro, o radialista, repórter, jornalista esportivo e comentarista Washington Rodrigues. Também conhecido como Apolinho ou Velho Apolo, ele lutava contra um câncer agressivo.

Um dos principais repórteres da história do rádio, Washington comandava o “Show do Apolinho” na Rádio Tupi. No ar desde fevereiro de 1999, o programa era líder absoluto de audiência no segmento há mais de 20 anos.

O radialista era também comentarista titular da equipe de esportes da rádio e tinha a coluna “Geraldinos e Arquibaldos” no Jornal Meia Hora, de conteúdo leve e bem-humorado.

Carismático, criou várias expressões populares como “Geraldinos e Arquibaldos”, “Pau com formiga”, “Pinto no lixo”, “Briga de cachorro grande”, entre muitas outras.

Apaixonado pelo Flamengo, teve duas passagens pelo clube: em 1995, como treinador, onde conquistou o vice-campeonato da Supercopa Libertadores; em 1998, como diretor de futebol.

“Eu não sou técnico e nunca fui, mas o Flamengo não me convidou, me convocou. E todas as vezes que ele me convocar eu vou, pelo Flamengo eu faço qualquer coisa, se o goleiro se machucar e precisar de mim no gol eu vou lá e jogo, pelo Flamengo eu faço qualquer negócio, chamou eu tô dentro, qualquer coisa que quiserem eu vou”, chegou a declarar sobre a experiência.

A Rádio Tupi, onde Apolinho trabalhava, publicou uma homenagem ao radialista nas redes sociais. “Revelou-se desde cedo um amante do futebol e sempre se orgulhou em dizer que organizava saídas da escola para frequentar o recém-inaugurado Maracanã.”

Carioca do Engenho Novo, Washington Rodrigues nasceu no dia 1º de setembro de 1936 e é um dos mais conhecidos jornalistas esportivas do Brasil.

Começou sua carreira em 1962 na Rádio Guanabara, atual Rádio Bandeirantes, no programa “Beque Parado”, que falava sobre futebol de salão. Trabalhou em todas as grandes emissoras de televisão e rádio da cidade, entre elas, Globo e Nacional.

Conhecido pela imparcialidade, foi um dos poucos comentaristas com grande aceitação pelas quatro grandes torcidas cariocas. Era também reconhecido na profissão, tendo recebido todos os prêmios já criados para homenagear um jornalista esportivo.

O apelido Apolinho surgiu por usar, quando repórter da Rádio Globo, um microfone sem fio que era utilizado pelos astronautas da Missão Apollo 11, de 1969.

 

Mensagem do Flamengo

 

O Clube de Regatas do Flamengo lamenta profundamente o falecimento de um dos maiores comunicadores do esporte nacional. Washington Rodrigues, o Apolinho, nos deixou nesta quarta-feira (15) aos 87 anos, vítima de um câncer. Em décadas de carreira, moldou a forma como vivemos o futebol. Criou expressões inesquecíveis – é impossível lembrar do Gol do Pet em 2001 sem lembrar do aviso que “acaba de chegar São Judas Tadeu” na voz de Apolinho.

Washington Rodrigues foi treinador do Mais Querido no ano de nosso centenário e, ainda assim, era admirado e adorado pelas torcidas dos nossos rivais por seu carisma, sua imparcialidade e sua paixão. Na ocasião, Apolinho foi vice-campeão da Supercopa da Libertadores. Três anos depois, retornou ao clube para exercer o cargo de diretor técnico. Washington costumava se referir ao episódio como uma “convocação”. Alguns meses depois, o comunicador voltou de forma definitiva aos microfones na Super Rádio Tupi, onde permaneceu trabalhando até o seu falecimento.

Ele nos deixou em uma noite em que o Flamengo venceu com “chocolate” (4 a 0 sobre o Bolívar) – expressão inventada por ele para definir as goleadas.

 

Muito obrigado por tanto, Apolinho! Descanse em paz

 

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x