18 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Blinken inicia viagem para a China, em meio a aumento de tensões globais

Blinken inicia viagem para a China, em meio a aumento de tensões globais

Os EUA e a China também estão em profunda discordância em relação aos direitos humanos na região ocidental de Xinjiang

25/04/2024 13h00 - Atualizado há 3 semanas Publicado por: Redação
Blinken inicia viagem para a China, em meio a aumento de tensões globais Foto – Arte – JornalPP

Reportagem – Estadão Conteúdo

O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, iniciou na quarta-feira, 24, uma viagem crítica à China, logo após a aprovação pelo Senado americano de um pacote de ajuda externa que fornecerá bilhões de dólares em assistência à Ucrânia, Israel e Taiwan, bem como forçará a empresa controladora do TikTok, ByteDance, a vender a plataforma de mídia social. Todas as áreas são pontos de discórdia entre Washington e Pequim e devem ser discutidas na viagem de Blinken, segundo revelaram autoridades americanas à Associated Press.

Blinken desembarcou em Xangai na quarta-feira, poucas horas depois que o Senado finalizou a votação da legislação sobre recursos militares e logo antes do presidente Joe Biden assinar a lei para demonstrar a determinação do EUA em defender seus aliados. Ainda assim, o fato de Blinken estar fazendo a viagem é um sinal de que os dois lados estão pelo menos dispostos a discutir suas diferenças.

Mesmo antes de Blinken aterrissar em Xangai, onde terá reuniões antes de viajar para Pequim, o Escritório de Assuntos de Taiwan da China criticou a assistência a Taipei, dizendo que ela “viola seriamente” os compromissos dos EUA com a China, “envia um sinal errado para as forças separatistas da independência de Taiwan” e empurra a república autônoma da ilha para uma “situação perigosa”.

Os países também divergem no posicionamento frente a outros conflitos geopolíticos globais, principalmente as guerras na Ucrânia e na Faixa de Gaza. Segundo oficiais do governo americano, a Ucrânia deve ser um dos tópicos primários de Blinken durante a viagem.

De um lado, o governo Biden argumenta que o suporte chinês permitiu a reconstituição da base industrial de defesa da Rússia, ampliando a ameaça à segurança europeia. Do outro, a China afirma ter o direito de manter relações comerciais com a Rússia e critica a “postura hipócrita e irresponsável dos EUA ao introduzir uma lei de recursos militares de ampla escala enquanto realiza as acusações”.

Os EUA e a China também estão em profunda discordância em relação aos direitos humanos na região ocidental de Xinjiang, no Tibete e em Hong Kong, bem como em relação ao destino de vários cidadãos americanos que, segundo o Departamento de Estado dos EUA, foram “detidos injustamente” pelas autoridades chinesas.

A China tem rejeitado repetidamente as críticas americanas ao seu histórico de direitos como interferência indevida em seus assuntos internos. No entanto, Blinken levantará novamente essas questões, de acordo com o funcionário do Departamento de Estado.

Outro ponto de discussão será o fornecimento de precursores para a fabricação do opioide sintético fentanil, responsável pela morte de milhares de americanos. Uma fonte do Departamento de Estado revelou que Blinken abordará a necessidade de mais esforços da China para impedir a exportação dos materiais, como reforço nas legislações locais para evitar que os produtores contornem as novas restrições.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x