20 de Abril de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Fome aumenta no Haiti e ajuda humanitária diminui, enquanto gangues sufocam o país

Fome aumenta no Haiti e ajuda humanitária diminui, enquanto gangues sufocam o país

Bauer e outras autoridades afirmaram que gangues estão bloqueando as rotas de distribuição e paralisaram o porto principal do Haiti

18/03/2024 12h57 - Atualizado há 1 mês Publicado por: Redação
Fome aumenta no Haiti e ajuda humanitária diminui, enquanto gangues sufocam o país FOTO: ARTE / JORNAL PRIMEIRA PÁGINA

REPORTAGEM: ESTADÃO CONTEÚDO

Cerca de 1,4 milhão de haitianos estão à beira da fome e mais de 4 milhões necessitam de ajuda alimentar, por vezes comendo apenas uma vez por dia ou nada, segundo o levantamento de instituições humanitárias. “O Haiti enfrenta uma fome prolongada e em massa”, disse o diretor do Programa Alimentar Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Haiti, Jean-Martin Bauer, à Associated Press.

Bauer e outras autoridades afirmaram que gangues estão bloqueando as rotas de distribuição e paralisaram o porto principal do Haiti. Além disso, informam que o armazém do Programa Alimentar Mundial está ficando sem cereais, feijões e óleo vegetal. “Temos suprimentos para semanas”, disse Bauer. “Isso me deixou apavorado.”

Apenas algumas organizações de ajuda humanitária conseguiram retomar operações desde 29 de fevereiro, quando gangues começaram a atacar instituições importantes, incendiando tropas de polícia, fechando o principal aeroporto internacional e invadindo duas prisões para libertar mais de 4 mil presos. A violência forçou o primeiro-ministro Ariel Henry a anunciar na terça-feira, 12, que renunciaria assim que fosse criado um conselho de transição, mas as gangues que exigem a sua destituição continuaram os seus ataques em várias comunidades.

Acredita-se que mais de 200 gangues operem no Haiti, com quase duas dúzias concentradas em Porto Príncipe e arredores. Elas controlam agora 80% do capital e disputam por mais território. Dezenas de pessoas morreram nos ataques mais recentes e mais de 15 mil ficaram desabrigadas.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x