24 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Internacionais

Jornal Primeira Página > Notícias > Internacionais > Manifestantes bloqueiam acesso a Buenos Aires em protesto contra projetos de Milei

Manifestantes bloqueiam acesso a Buenos Aires em protesto contra projetos de Milei

Os movimentos culminarão em uma greve geral convocada pela maior central sindical do país

08/05/2024 15h35 - Atualizado há 2 semanas Publicado por: Redação
Manifestantes bloqueiam acesso a Buenos Aires em protesto contra projetos de Milei Foto – Arte – JornalPP

Reportagem – Estadão Conteúdo

Organizações sociais da Argentina bloquearam na terça-feira o acesso a Buenos Aires e realizaram bloqueios em outras partes do país, em meio a uma série de protestos contra a política de ajuste e os projetos de reforma do presidente Javier Milei. Os movimentos culminarão em uma greve geral convocada pela maior central sindical do país.

O Polo Obrero e o Sindicato dos Trabalhadores da Economia Popular foram alguns dos grupos de esquerda que bloquearam as estradas que ligam a capital às cidades próximas diante da forte presença policial. Os manifestantes agitavam bandeiras e faixas com legendas contra o governo e gritavam que “o país não está à venda”.

Os manifestantes exigem do governo de Milei mais alimentos para os refeitórios sociais que atendem famílias sem recursos e que são administrados por organizações sociais. Quem se manifestava acabou sendo afastado pela polícia no âmbito do protocolo de segurança do governo que proíbe o bloqueio de vias públicas durante manifestações de rua.

Os protestos ocorrem poucos dias depois de o governo ter obtido na Câmara dos Deputados, e graças ao apoio dos partidos aliados, a aprovação de dois projetos que contemplam reformas econômicas, estaduais e tributárias que desmantelariam regulamentações existentes há décadas. As iniciativas começaram a ser discutidas nesta terça-feira pelas comissões do Senado, onde, assim como na Câmara, o partido governista está em desvantagem.

A Confederação Geral do Trabalho (CGT) organizou uma primeira greve nacional em 24 de janeiro, pouco mais de um mês depois de Milei ter tomado posse, contra um ambicioso pacote de iniciativas reformistas que não conseguia prosperar na altura. Algumas delas foram amenizadas com o apoio de setores aliados para que transitassem no Congresso.

Mas o peronismo e os partidos e organizações de esquerda opõem-se a propostas como a que aumentaria o período probatório nas empresas e eliminaria as multas aos empregadores que não registrassem os seus empregados, bem como a criação de um fundo de indenização voluntária.

Também rejeitam a possibilidade de que salários acima de determinado valor voltem a estar sujeitos a impostos – o que afetaria milhares de trabalhadores que agora estão isentos -, a isenções fiscais para empresas que fazem investimentos milionários e à regulamentação de ativos não declarados na Argentina e fora do país.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x