26 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Matheus Wada Santos

Jornal Primeira Página > Notícias > Matheus Wada Santos > Câncer de Mama, a convivência com o diagnóstico

Câncer de Mama, a convivência com o diagnóstico

Outros sentimentos que acompanham a pessoa nesse difícil momento são: desconfortos físicos, mudanças nos padrões de sono, entre outros

22/10/2023 06h21 - Atualizado há 7 meses Publicado por: Redação
Câncer de Mama, a convivência com o diagnóstico

Nesta coluna de outubro, vamos conversar um pouco mais sobre como é conviver com o câncer de mama. Um diagnóstico que costuma ter um efeito devastador na vida dos pacientes oncológicos e, por isso, é necessário nos atentarmos ao efeito emocional causado ele, para que possamos prestar assistência a essa pessoa.

Pacientes relatam como o efeito de receber o diagnóstico é devastador. Há um medo em relação aos tratamentos, que podem resultar em mutilações, desfigurações, infertilidade, possíveis perdas emocionais materiais, sociais ou emocionais. E também há o medo da morte associado à situação.

Outros sentimentos que acompanham a pessoa nesse difícil momento são: desconfortos físicos, mudanças nos padrões de sono, mudanças na libido, ansiedade e depressão, episódios de raiva, problemas nos relacionamentos e dificuldades no trabalho.

O estudo “O impacto psicológico do câncer de mama: um estudo a partir dos pacientes de um grupo de apoio” (2012), nos mostra também que as diferentes formas que o diagnóstico pode afetar pessoas pacientes. E traz algumas falas importantes que ilustram esse momento: “A gente nunca acha que vai acontecer com a gente”; “Só queria pegar isso (tumor) e jogar fora”; “A gente pensa que vai ser forte até o final, mas é muito difícil”.

Entendendo tudo isso, ressaltamos mais uma vez a importância de um diagnóstico precoce. Quando falamos sobre isso, estamos falando sobre o estágio em que a doença é detectada e sobre as opções de tratamento oferecidas que entram na equação quando um paciente ouve sobre tudo isso.

Ou seja, sobre questões psicossociais. E para entender melhor a parte social, o estudo “Reinventando a vida: proposta para uma abordagem socioantropológica do câncer de mama feminina” (2002) nos introduz a ideia de que o paciente irá viver a doença de acordo com a forma que ela nos é apresentada.

E por isso, podemos pensar na simbologia que a doença acarreta. Como por exemplo: os tratamentos (quimioterapia, radioterapia e mastectomia) podem comprometer aspectos físicos do paciente, afetando assim a autoestima, imagem corporal e senso de identidade. Além disso, socialmente, o diagnóstico de câncer adquiriu para muitos uma equivalência de culpa, dor, sofrimento, deterioração, punição divina e morte. O que os desencoraja de até mesmo buscar tratamento.

Tendo em mente que o câncer de mama ainda toma esse lugar de segredo difícil de ser falado, compartilhado e ouvido, precisamos estar abertos a acolher quem está passando por esse momento. É preciso que essas pessoas saibam que não estão sozinhas. E que a sua rede de apoio pode ser fortalecida por profissionais e espaços (como a terapia) para lidar com tudo isso.

 

Psicólogo formado pela PUC-Campinas.

Psicanalista pós-graduado pela Mackenzie-SP.

Especializado em Psicanálise, Gênero e Sexualidade pelo Instituto Sedes Sapientiae.

Matheus Wada Santos

CRP 06/168009

@psi_matheuswada

(16)99629-6663

[email protected]

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x