26 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Matheus Wada Santos

Jornal Primeira Página > Notícias > Matheus Wada Santos > Ghosting, você já passou por isso?

Ghosting, você já passou por isso?

Para lidarmos com o ghosting é necessário pensarmos e refletirmos sobre a história como um todo, desde o começo

15/10/2023 05h01 - Atualizado há 7 meses Publicado por: Redação
Ghosting, você já passou por isso?

Em artigos anteriores já falamos sobre como nos relacionamos conosco internamente e com o outro e como as telas afetam nossas vidas (se você perdeu algum deles, pode acompanhá-los em nossa coluna). Mas e quando ambos os assuntos se entrelaçam? Hoje falaremos sobre o “ghosting”, uma maneira cruel e que vem se tornando comum de se encerrar relações.

O ghosting é um fenômeno das redes que vem se popularizando quando falamos de relacionamentos. Por definição é: uma maneira de terminar um relacionamento sem aviso prévio ou explicação com o uso da tecnologia, ignorando qualquer tentativa de contato.

A situação pode parecer corriqueira para alguns: você conhece uma pessoa, começam a trocar mensagens, tudo vai bem e então, silêncio. E nesse momento é preciso se conscientizar que o outro não lhe deu nem a dignidade de um adeus.

E ocorre quando, por exemplo, há falhas no processo de comunicação e falta de alinhamento de expectativas. Como resultado, aqueles que passam por isso, sentem-se: desrespeitados, tristes, não cuidados, rejeitados, têm problemas na autoestima, culpados pelo abandono, com sentimentos de negação e até mesmo de luto.

É comum que aqueles que praticam essa forma de terminar relações tenham medo de conflitos, por isso evitam todas as formas possíveis de enfrentamento presenciais, até mesmo o ato de dizer o adeus se torna difícil.

Essas pessoas não comunicam seus afastamentos. Uma comunicação que deveria ser fluida, direta, respeitosa e assertiva. Estas também costumam ter sofrido quebras de confiança por pessoas próximas, tendo assim dificuldade de viver novos encerramentos, ou nem mesmo têm consciência do dano que causam.

Assim, é mais fácil imaginar que não se deve nada a uma tela e que essa tela não irá ver mensagens ou fazer cobranças, do que seria descartar uma pessoa na realidade. Aos poucos, se perde a prática em viver relações reais, com o contato interpessoal.

Mas é importante que, mesmo que nos tratem como pessoas a serem dispensadas por uma mensagem e sem sentimentos, isso não se torne nossa realidade. Não se pode deixar que nossa empatia comece a desaparecer.

Para lidarmos com o ghosting é necessário pensarmos e refletirmos sobre a história como um todo, desde o começo. Sobre tudo aquilo que foi dito, onde as expectativas e fantasias foram colocadas. Para que não se repitam os mesmos padrões ansiosos. Uma vez que se elaboram sofrimentos, podemos curar nossas feridas e viver uma nova história.

 

Psicólogo formado pela PUC-Campinas.

Psicanalista pós-graduado pela Mackenzie-SP.

Especializado em Psicanálise, Gênero e Sexualidade pelo Instituto Sedes Sapientiae.

Matheus Wada Santos

CRP 06/168009

@psi_matheuswada

(16)99629-6663

[email protected]

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x