29 de Fevereiro de 2024

Dólar

Euro

Matheus Wada Santos

Jornal Primeira Página > Notícias > Matheus Wada Santos > O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB)

O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB)

Para a psicologia e para a psicanálise, o TPB vem acompanhado de angústias de ser abandonado e uma agonia impensável

26/11/2023 07h01 - Atualizado há 3 meses Publicado por: Redação
O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB)

Hoje falaremos sobre o TPB, um diagnóstico que vem ganhando notoriedade nos últimos anos. Não porque não existisse anteriormente, mas porque com sua popularização, vem se tornado mais fácil identificá-lo.

Para a psicologia e para a psicanálise, o TPB vem acompanhado de angústias de ser abandonado e uma agonia impensável. Como o bebê não experiencia o cuidado de forma correta após o nascimento, momentos de separação, mesmo que sejam muito breves, são vivenciados com muita intensidade por esses pacientes. Fazendo com que angústia por medo de ser morto seja avassaladora.

Assim, o Ego do borderline é mais frágil. E recheado de sentimentos persecutórios. Isso leva a um desejo quase que de se tornar um com o Outro (qualquer que seja essa pessoa), que é colocado num lugar de objeto de amor, apoio e segurança.

Porém, isso também dá lugar a um novo medo, o de ser rejeitado por essa nova pessoa. Resultando numa agressividade para criar um limite entre o Eu e o Outro. Por fim, há uma retaliação a essa agressividade interna. Portanto, pessoas borderline são agressivas e dependentes das pessoas que amam.

Nesse sentido, é comum que as relações se tornem intensas e abusivas, pois a relação está a serviço da sobrevivência do Ego do borderline. Em vez da lógica das pessoas estarem a serviço da satisfação mútua. E é mais vantajoso se submeter e sobreviver do que perder a unidade do Ego (de quem eu sou).

Deste modo, de acordo com DSM-5 (2014), podemos identificar alguns sintomas para o TPB: esforços desesperados para evitar abandonos reais ou imaginários; padrões de relacionamentos instáveis e intensos (alternando entre idealização e desvalorização); perturbação da identidade com mudanças profundas na autoimagem ou percepção de si; instabilidade afetiva; ansiedade intensa de curta duração; sentimentos crônicos de vazios; e raiva acentuada e inapropriada ou dificuldade em controlá-la.

A terapia se faz importante nesses casos, pois, o borderline precisa de um ambiente em que as relações e “objetos” podem ser testados e sobrevivem a agressividade do transtorno, assim parando de testar outras relações.

Além disso, o paciente pode ser acolhido e poderá rotular os sentimentos para melhor entendê-los. Podendo assim trabalhar as questões de angústia e autoestima. E por último, como é comum que esses casos envolvam ideações suicidas devido as grandes angústias que acompanham o transtorno, a terapia se coloca em um local de ajuda e não julgamento. Além de poder fazer, por exemplo, um diálogo com outros profissionais competentes, como um psiquiatra.

 

Psicólogo formado pela PUC-Campinas.

Psicanalista pós-graduado pela Mackenzie-SP.

Especializado em Psicanálise, Gênero e Sexualidade pelo Instituto Sedes Sapientiae.

Matheus Wada Santos

CRP 06/168009

@psi_matheuswada

(16)99629-6663

[email protected]

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x