25 de Maio de 2024

Dólar

Euro

Matheus Wada Santos

Jornal Primeira Página > Notícias > Matheus Wada Santos > TDAH em adultos

TDAH em adultos

Mas, o que acontece com as pessoas mais velhas que também têm esse transtorno?

27/08/2023 06h00 - Atualizado há 9 meses Publicado por: Redação
TDAH em adultos

Na última semana discutimos um pouco sobre como o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) afeta as crianças. Mas, o que acontece com as pessoas mais velhas que também têm esse transtorno?

Já sabemos que o TDAH é um transtorno neurológico, possui raízes genéticas e é caracterizado por sintomas como falta de atenção, impulsividade e inquietação; que se manifesta na infância, porém, algumas pessoas só o identificam em idades mais avançadas. E caso não seja devidamente abordado e tratado, traz diversas complicações para a vida cotidiana da pessoa.

No caso dos adultos algumas dessas complicações incluem: dificuldade de organização, de concentração e atenção, dificuldade de seguir rotinas, dificuldade em manter ciclos de sono e de alimentação, procrastinação, falta de foco, frequente alteração de humor e dificuldade de se expressar.

Devido a esses fatores, adultos com TDAH podem ser percebidos no ambiente de trabalho como “preguiçosos” ou “desinteressados”. E suas dificuldades levam a demissões, por exemplo, o que faz com que essas pessoas tenham um maior índice de instabilidade financeira e profissional.

Os desafios que eles enfrentam em outros âmbitos também se aplicam à direção. Pessoas com TDAH têm maior incidência de acidentes de trânsito. Isso devido à dificuldade em manter o foco e atenção.

Todas essas questões trazem consequências, dentre elas estão o que chamamos de comorbidades que nada mais é do que a ocorrência de duas doenças ao mesmo tempo em uma pessoa. No caso, o TDAH faz com que a pessoa esteja muito mais propensa ao surgimento de sintomas ansiosos e depressivos.

Pensando nisso, algumas estratégias interessantes para adultos com TDAH são: estabeleça um horário de sono, tente se alimentar bem, use relógios, coloque despertadores e se acostume a chegar adiantado, use agenda, faça uma tarefa de cada vez, crie rotinas diárias curtas e não deixe as coisas para depois (porque você vai esquecer).

Também é importante lembrar que, para que esse tratamento ocorra, é preciso que a pessoa procure a ajuda de uma equipe multiprofissional: um psicólogo, um médico (neurologista ou psiquiatra) e algumas vezes, um outro profissional da área da saúde para auxiliar com outras questões, como um nutricionista, por exemplo. E, para que se tenha o diagnóstico correto e ético do TDAH, é preciso que se passe por um processo de testes e avaliação contextual longo com profissionais especializados, dentre eles: psicólogo, psiquiatra ou neurologista. Processo que leva várias sessões.

 

Psicólogo formado pela PUC-Campinas.

Psicanalista pós-graduado pela Mackenzie-SP.

Especializado em Psicanálise, Gênero e Sexualidade pelo Instituto Sedes Sapientiae.

Matheus Wada Santos

CRP 06/168009

@psi_matheuswada

(16)99629-6663

[email protected]

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x